Roteiro Turístico

Furadouro tem para oferecer um património que é, essencialmente uma herança cultural sempre entendido como um conjunto de manifestações que emana dos mais diversos graus do conhecimento humano, gerado por múltiplas gerações que, à sua maneira, compreenderam a necessidade de transmitirem algo aos vindouros. 
 
Desse património cultural, realce para a Igreja matriz, o Cruzeiro do Casmilo e as duas Capelas da terra, a Capela do Cadaval e a Capela de Nossa Senhora do círculo, esta situada num dos montes que fazem parte da Serra de Sicó, a sul de Condeixa e sobranceiro aos lugares do Furadouro, Casmilo. 
 
O Casmilo, onde deve ter existido um castro, na Idade do Ferro, é outra aldeia tipicamente serrana. Difícil é saber de onde o seu nome deriva, mas já era citado em 1527 e na modesta capela, dedicada a S. Paulo, o santo data do séc. XV. 
 
Os que por cá ficam entregam-se ao amanho das terras no fundo dos vales e depressões cársicas e a magra pastorícia em rebanhos que, por vezes, não ultrapassam dezena de cabeças.
 
Expressão visível destas actividades são o “arranjo” das dolinas, com vista a provisão de água para o gado, os muros e montículos de pedra solta ligados a tarefa de despedrega dos campos e as características cabanas de pastores, marcas na paisagem que mais avivam o seu carácter selvagem, agreste e inóspito.
 
Nas aldeias, as casas de pedra mantêm ainda visíveis as caleiras de recolha das águas pluviais e as cisternas para seu armazenamento, marcas que testemunham o engenho com que estas gentes sempre souberam suprir a falta de água típica do carso.
 
Freguesia de gente humilde e ordeira, com uma gastronomia riquíssima, permite-lhe encontrar alguns e bons locais para saborear uma boa refeição, desde um petisco ou prato tradicional, ou um simples copo entre dois dedos de conversa. São disso exemplo a chanfana, Papas Laberças e o Sarrabulho, entre outras iguarias da região, acompanhado por um bom vinho maduro.